quarta-feira, 30 de maio de 2007

Está na altura de apoiar o uso da bicicleta na faixa costeira

Apesar de não existirem ciclovias, o uso de bicicletas como meio de transporte está presente nas localidades da faixa costeira do concelho de Odemira, porque será?

Talvez por ser uma área plana, cheia de caminhos e onde as localidades se encontram a pouca distância umas das outras. Fica a impressão de que, para muitos, a bicicleta é a forma mais económica e eficiente de aceder a vários pontos da costa. Muitos são pescadores, crianças, jovens e idosos... há também "bandos" de cicloturistas de toda a europa em bicicletas artilhadas com suportes e carregadas de tendas e sacos-cama e garrafas de água e mapas... mas sobre estes debruçar-me-ei noutra altura.

Agora quero focar exclusivamente os munícipes que teimam em fazer da bicicleta o seu meio de transporte apesar de não terem, para tal, qualquer apoio ou incentivo por parte das entidades competentes na matéria. É a esses teimosos Super-Homens a pedais do Alentejo Litoral que eu gostava de dizer, na qualidade de ciclista Alfacinha, vocês tão muito à frente...

Vivemos numa época histórica onde já ninguém pode virar costas às alterações climáticas nem à subida do preço do petróleo, em que urge apoiar este hábitos instalados que, parecendo uma resiliência do passado, estão cada vez mais na vanguarda da história. A propósito disto veja-se: The EU's Contribution to Shaping A Future Global Climate Change Regime

Além dos aspectos ambientais/energéticos/económicos esta é uma questão de saúde e qualidade de vida. Sabemos que a população portuguesa é obesa e para o provar estão aí as estatísticas:
Portugal encontra-se numa das posições mais desfavoráveis do cenário europeu, apresentando mais de metade da população com excesso de peso e sendo um dos países do espaço Europeu em que é maior a prevalência de obesidade infantil, já que 30 por cento das nossas crianças apresentam sobrepeso e mais de 10 por cento são obesas. Estilos de vida sedentários e baixo nível de actividade física certamente têm um impacto importante nesta situação mas a alimentação é um factor muito relevante. (Portal do Governo - Lançamento da Plataforma Contra a Obesidade)

Citando o ABC da Saúde: O tratamento da obesidade envolve necessariamente a reeducação alimentar, o aumento da atividade física e, eventualmente, o uso de algumas medicações auxiliares.

Nesta Guerra à Obesidade em Portugal cabe aos municípios adoptar orientações em matéria de urbanismo promotoras da actividade física, prevendo nos Planos Directores Municipais (PDM) locais públicos para a prática de exercício, actividades físicas e desportivas, entre parques, passeios pedonais e ciclovias.

Portanto, apoiar o uso da bicicleta como meio de transporte é matar muitos coelhos de uma cajadada só.

Meus caros Super-Homens a pedais do Alentejo Litoral, até que se faça alguma coisa por vós, mais vale estar prevenido e pedalar em Segurança.

2 comentários:

tiago gonçalves disse...

Está na altura sim senhor! passei só para te mandar um abraço e pedir desculpas por não ter ido à tertúlia...
Porta-te
Outro homem da bicicleta,
Tiago Gonçalves, território

Mario J Alves disse...

Olá Duarte!

Sobre obesidade e saúde uma notícia curiosa:
"Sorprendente" salud de los cubanos, BBC

Felicidades em Sines!

Mário