segunda-feira, 14 de abril de 2008

Rotundas!!! Em que sentido?

Ouvi há uns anos um reputado especialista, numa aula de transportes, dizer que as auto-estradas para o interior, em vez de lá levarem o desenvolvimento, faziam com que as pessoas saíssem mais rapidamente para o litoral. Achei fascinante como, numa curta frase, o catedrático tinha virado o bico ao prego e deitado por terra uma convicção generalizada. Além disso, a ironia do destino dos territórios em processo de despovoamento, processo esse que se vê agravado pelas novas acessibilidades - que durante tanto tempo reclamaram, como forma de gerar desenvolvimento e inverter esta tendência de perda - assombrou-me.

Foi com algum espanto que, numa recente viagem de Odemira para Sines, me deparei com uma série de novas rotundas que desafiaram tudo o que eu achava saber sobre a matéria.
A primeira delas pareceu-me um pouco desviada do eixo da estrada… mas enfim, há contingências compreensíveis, como um sobreiro que não se pode deitar abaixo - pode ter sido isso - pensei. Mas à segunda rotunda nem mexi o guiador, foi vê-la passar à minha esquerda… e aí fez-se luz!!! As rotundas, símbolos do congestionamento automóvel – o que neste país é sinónimo de desenvolvimento – foram feitas à medida de quem viaja para Norte. Recordei imediatamente a frase do professor Viegas e, sem que o conseguisse evitar, imaginei que esta concepção única das rotundas era um presente envenenado das Estradas de Portugal que visava acelerar o despovoamento do concelho.

Depois de muito reflectir confirmei que tudo foi propositado mas, no entanto, abandonei a teoria da conspiração, porque percebi a genialidade por trás desta solução de design heterodoxa, ora vejamos:
  • Quem viaja ao fim-de-semana para Lisboa sai, naturalmente, apressado na sexta à tarde em direcção a Norte e as rotundas, assim, facilitam-lhe o trajecto… o condutor pode até atravessá-las enquanto escreve um sms a avisar os amigos que está a caminho, e nem dar conta que passou por uma rotunda;
  • Já no sentido inverso os citadinos acelerados, que desabam sobre a Zambujeira por alturas do Festival Sudoeste, encontram uma série de obstáculos rodoviários que visam, justamente, abrandá-los, acalmar-lhes o temperamento ao volante e contagiá-los com a saudável serenidade alentejana que muito contribiu para a segurança rodoviária;
  • De uma forma geral, a contenção das invasões sazonais de turistas é, possivelmente, uma das intenções por trás desta concepção genial;
  • Mas o design destas rotundas até considerou os trajectos casa-trabalho, fazendo com que o percurso Odemira-Milfontes (trabalho-casa para a maioria das pessoas) se faça mais depressa e com maior comodidade do que o inverso.
Saber se é correcto chamar-lhes rotundas é uma questão duplamente semântica e topológica. Ou seja, no sentido Norte-Sul são rotundas de facto, já no sentido inverso não o são… o que é muito bem visto - porque se uma coisa tem dois sentidos, e se eles até são contrários, a natureza antagónica da coisa, por deferência à lógica, deverá ser assumida.

Os meus parabéns aos responsáveis por estas rotundas.

PS: Obrigado a "o resto do mundo" pelo estímulo ;)

1 comentário:

resto do mundo disse...

;) é um prazer